Pesquisa personalizada



video
Imagem e vídeo retirados da Net

É a primeira vez que aqui menciono este dia, mas este ano algo me puxou a fazê-lo...
Faz precisamente hoje 23 anos que passei a passagem de ano sozinha com o meu pai, somente os dois. Foi estranho, porque sempre fomos três. E vocês perguntam porquê? É simples, muito simples... Neste dia nascia mais um ser maravilhoso, o meu irmão. Temos 16 anos a separar-nos, mas ainda bem que assim é.
A minha Vida não seria a mesma coisa sem o meu "Cocas" querido!!!
Ainda és muito jovem... tens uma Vida toda a percorrer. Como tua mana, digo-te que ao longo da tua caminhada muitos obstáculos te irão aparecer pela frente. Mas tu irás passar por cima deles todos, pelo menos nunca baixes os braços, ok?
E lembra-te sempre que estarei ao teu lado.
Por isso, que tenhas um dia Feliz e que os Anjos da saúde te acompanhem sempre.
Feliz Aniversário! Uma beijoca grande e um abraço do meu glutão.



O farrapo velho ou roupa velha... é feito com as sobras da consoada... normalmente já se coze bacalhau, batatas e pencas a mais para se poder fazer o farrapo velho. É uma receita já conhecida de muita gente, contudo, deixo aqui a receita que aprendi com a minha mãe.

Ainda não foi este ano que fiz o tronco de Natal... ai que nervos!!! Vou ver se o faço fora de época (*_*)

Aproveito para vos desejar uma excelente entrada em 2013.


Ingredientes:

Bacalhau cozido
Pencas cozidas
Batatas cozidas
Alho (em abundância)
Azeite
Vinagre
Cominhos em pó
Pimenta preta

Preparação:

Retirar as espinhas e pele ao bacalhau e desfiar. Cortar as batatas e as pencas em pedaços.
Refogar os alhos picados em bastante azeite.
Juntar o bacalhau, mexer e em lume brando deixar tomar gosto.

Juntar as couves, as batatas e envolver tudo bem, continuando em lume brando por uns minutos, mexendo de vez em quando para não torrar.
Temperar com pimenta e cominhos a gosto. No fim salpicar com vinagre, envolver e servir.


O "Pai Natal" da Vaqueiro enviou-me este belo presente. As já conhecidas margarinas Vaqueiro Aves, Porco e Bifes. Além disso, uma embalagem de Vaqueiro especial para bolos, acompanhadas por umas belas forminhas para fazer biscoitos. E tudo isto dentro de uma bela caixa!
Obrigada à Vaqueiro por esta bela oferta.
Aproveito este post para desejar a todos os que me acompanham um Feliz Natal, muito docinho :)
Fiquem bem.





Hoje, juntamente com esta regueifa de aspecto tosco (mas que ficou muito boa apesar da sua cor pálida), cor que tem razão de ser, pois esqueci-me de pincelar com ovo antes de ir ao forno, deixo aqui mais uma frase para reflexão: "Vivo sempre no presente. O futuro, não o conheço. O passado, já o não tenho."-Fernando Pessoa.



Ingredientes:

3 ovos 
200 gr. açúcar
700 gr. farinha de trigo sem fermento
200 ml de leite
15/20 gr. de fermento de padeiro (usei 3 saquetas da Vahiné de 4,6 gr. cada uma) 
75 gr. de margarina (à temperatura ambiente)
Canela em pó (1 colher de café)
1 gema de ovo para pincelar.

Preparação:
Num recipiente, colocar a farinha, fermento, canela, os ovos (ligeiramente batidos), a margarina partida aos cubinhos e o leite. Amassar tudo à mão (pode usar os ganchos em espiral da batedeira para unir os ingredientes).

Depois de tudo misturado, transferir para a bancada polvilhada com farinha e amassar (trabalhar) bem a massa até formar uma bola.
Colocar a bola num tabuleiro, cobrir com película aderente e 1 pano por cima para levedar.

Quando dobrar de tamanho, vamos formar a regueifa. Aqui optei por uma redonda com buraco no meio, mas pode fazer uma trança, fica ao gosto de cada um. Pincelar com gema de ovo (esqueci-me de o fazer) e levar a cozer em forno pré-aquecido a 180ºC, num tabuleiro com papel vegetal ou untado com margarina.
Demorou cerca de 20 minutos.
Polvilhar com açúcar.



Uma surpresa super agradável este bolo! Nesta época abundam os kiwis, e assim sendo resolvi fazer um bolo de kiwi. Procurei, e encontrei uma receita do meu agrado e, vindo de onde vem, só podia sair uma maravilha. Foi do Blog Pratos da Bela a quem desde já agradeço a partilha. Fica um bolo muito saboroso e húmido. Aprovado! Só reduzi à quantidade de óleo.





Ingredientes:

4 ovos
250 gr. açúcar
250 gr. de farinha trigo com fermento
150 ml óleo
250 gr. kiwis
1 colher chá de fermento em pó

Preparação:

Juntar os ovos, o açúcar, o óleo, os kiwis descascados e passar a varinha mágica para triturar tudo.
Entretanto juntar a farinha, o fermento e bater 3 minutos com a batedeira.

Colocar numa forma untada com margarina e polvilhada com farinha e levar ao forno pré-aquecido a 180ºC.
Demorou cerca de 35 minutos a cozer (faça o teste do palito).



Fogo, hoje está cá um gelo... de cortar à faca. Este tempo ou há-de ser 8 ou 80!
E com este frio só dá mesmo vontade de ligar o forno para aquecer o "ninho".

Hoje trago uns "rolinhos" de porco assados, que ficaram uma delícia, nham, nham :)

Ingredientes:

Perna de porco (comprei a parte dos "rolinhos")

Para a marinada:

Sal, pimenta preta, noz moscada, colorau, cominhos, alhos esmagados, vinho branco, folhas de loureiro e salsa fresca.

Batatas
Cebola, colorau, sal

Faça a marinada com os ingredientes mencionados e envolva bem a carne, convém ficar coberta com o vinho. Deixe a marinar pelo menos 6 horas.

Preparação:
Numa assadeira coloque uma boa camada de cebola às rodelas e disponha a carne.

Tempere as batatas com sal e coloque-as na assadeira. Coloque o molho da marinada, e polvilhe as batatas com colorau.
Leve a assar a 225ºC. Vá mexendo e regando durante a cozedura.
Por fim fatie as carne e deixe alourar mais um pouco.


A Piteca, do Blog Receitas da Piteca,  foi uma das primeiras blogueiras que "conheci" quando iniciei este blog. Não tenho por hábito participar em desafios de blogues. Mas pela razão mencionada anteriormente, resolvi participar no desafio que ela lançou. Por isso aqui fica a minha participação. Espero que gostem.



Ingredientes:
1 kg. de cenoura
500 gr. açúcar (pus só 400 gr. e chegou)
400 gr. de farinha trigo com fermento
100 gr. farinha maizena (amido de milho)
1 laranja média
4 ovos 
2 colheres de sopa vinho porto (opcional)
1 pau de canela, sal
Açúcar e canela em pó para polvilhar



Preparação:
Cozer as cenouras descascadas em água temperada com sal e 1 pau de canela.


Assim que estiverem cozidas, escorra-as bem (de preferência deixe escorrer umas horas), e com a varinha mágica transforme em puré de cenoura. 
Junte o açúcar, as farinhas, os ovos previamente batidos, sumo e raspa da laranja, o vinho do porto e bata tudo com a batedeira para misturar.

Frite pequenas colheradas do preparado (pois elas ao fritar crescem) em óleo quente (o lume não convém estar muito no máximo, pois os bolinhos queimam com facilidade).

Depois de fritos coloque-os a escorrer sobre papel absorvente e depois polvilhe-os com uma mistura de açúcar e canela a gosto.Rendeu cerca de 50 bolinhos.




Olá, olá, olá!!
Não abandonei este cantinho que tanto gosto, não...
Só ando com falta de tempo para fazer o que mais gosto. Tenho espreitado os vossos blogues, mas nem tenho comentado. Espero em breve voltar à normalidade.
Esta receita foi retirada do site Gastronomias
Fica um bolo muito bom, ideal até para ser recheado.





Ingredientes:

Usar uma chávena de chá, ou uma caneca de pequeno-almoço como medida.

1 chávena margarina (à temperatura ambiente)
2 chávenas de açúcar
3 chávenas de farinha com fermento
4 ovos (receita original leva só 3 ovos)
1 chávena de leite
1 colher sobremesa fermento em pó
Raspa da casca de 1 limão

Preparação:

Com a batedeira bater a margarina com o açúcar, juntar os ovos e bater.
De seguida, juntar um pouco de farinha com o fermento, depois juntar um pouco de leite (mexendo com uma colher de pau ou espátula) e assim sucessivamente até acabar. Por fim, a raspa de limão.

Levar a cozer em forno pré-aquecido a 180ºC em forma untada com margarina e polvilhada com farinha.

Demorou cerca de 50 minutos a cozer (depende do tamanho da forma o tempo de cozedura).
Nota: este bolo pode ser feito num forma redonda sem buraco no meio podendo ser recheado a gosto.



"Bife à milanesa, também conhecido em Portugal por panado é um prato da culinária italiana bastante popular no Brasil e na Argentina, feito com bifes(temperados) fritos em óleo quente após serem empanados com ovos batidos e pão ralado.
O bife à milanesa (cotoletta alla milanese) provavelmente surgiu na própria cidade de Milão. Embora não haja fatos que comprovem sua origem na cidade italiana, os relatos mais antigos desse prato são do escritor italiano Pietro Verri. Em seu livro História de Milão (Storia di Milano), ele escreve que em um almoço ocorrido na Igreja de Santo Ambrósio (Milão, 1134) fora servido um prato de coteletta impanata, fritta nel burro (carne de vitela empanada, frita na manteiga), citando inclusive o preparo com ovos e farinha".
Texto retirado da "wikipedia".

E vai daí resolvi experimentar. Nunca tinha comido bife desta forma. Gostei bastante.


Ingredientes:

2 bifes de novilho tenros
Sal, pimenta preta e alhos
1 ovo
Pão ralado
Salsa picada
Óleo para fritar


Ingredientes:

Temperar os bifes com sal, pimenta preta e alhos picados.
Bater 1 ovo e juntar-lhe um pouco de salsa picadinha.
Passar os bifes pelo ovo batido e de seguida pelo pão ralado.
Levar a fritar em óleo quente.
Depois de fritos coloque-os em papel absorvente.
Sirva com esparregado de espinafres.



Foto retirada da net


Desde ontem que estou cá com uns nervos...
E porquê?
Porque fui convidada a participar no concurso A Mesa dos Portugueses.
Lá me decidi e participei. E não é que ontem me ligaram a informar que fui uma das apuradas!!
Que contente fiquei, até a menina me dizer que teria de ir a Lisboa durante esta próxima semana.
A minha alegria logo se foi... pois é-me impossível deslocar-me até lá, assim, de um momento para o outro.
Odeio quando me meto num projecto e, quando ele ganha asas para voar, estas são cortadas :(
Ai que nervos!!!!
Pronto, já "despejei" o que me estava aqui entalado dentro.
Beijinhos... buá! :(


Ainda ando por aqui... um pouco mais ausente nas minhas postagens, mas espreitando sempre que posso os vossos cantinhos.
Estas tigeladas quando as vi no blog Desastres Culinários ficaram em fila de espera das muitas que tenho para experimentar. Usei umas tacinhas mais altas do que na receita original.
Ficaram deliciosas.


Ingredientes:
500 ml leite
6 ovos
250 gr. açúcar
1 pau de canela
1 casquinha de limão
Canela em pó

Preparação:

Leve a ferver o leite com o pau de canela e a casca de limão, assim que ferver desligue.
Num recipiente (sem usar a batedeira) misture bem e com cuidado (para não levantar espuma) os ovos com o açúcar e um pouco de canela em pó.
Adicione o leite quente em fio e incorpore bem na mistura de ovos.
Coloque a mistura em tacinhas de barro vidradas e leve ao forno pré-aquecido a 200ºC cerca 45/50 minutos.
Sirva depois de frio.
Comer à colherada.


Este bolo foi feito para uma ocasião muito especial...
A receita é de uma revista de culinária e levava só 6 ovos, mas como a forma que ia utilizar era grande (cerca de 25 cm diâmetro), aumentei à receita. Em vez do dobro, fiz receita e meia.
Este bolo não leva nenhum tipo de gordura, nem margarina, nem óleo. Por isso, fica um bolo mais seco que acaba por ser ideal para ser barrado e recheado.











Ingredientes:
9 ovos
300 gr. açúcar
285 gr. de farinha trigo com fermento
1 colher chá bem cheia de fermento em pó
40 gr. chocolate em pó
20 gr. cacau em pó

Decoração:
1 pacote de mousse
1/2 pacote de chantilly

Deixo aqui as quantidades da receita original:
6 ovos
200 gr. açúcar
190 gr. farinha trigo com fermento
1 colher chá fermento em pó
30 gr. chocolate em pó

Preparação:
Bata com a batedeira os ovos com o açúcar até obter um creme fofo e esbranquiçado. Envolva com um rapa-tachos, ou colher de pau, a farinha, o chocolate em pó, o cacau e o fermento no preparado anterior.
Unte e polvilhe com farinha uma forma, e leve a cozer em forno pré-aquecido a 180.ºC. Demorou cerca de 1 hora a cozer (depende do tamanho da forma).
Assim que estiver cozido, retire, deixe arrefecer e desenforme.

Preparação do Recheio:

Fazer a mousse conforme instruções do pacote (aqui juntei 250 ml de leite frio ao preparado em pó) e bater.
Fazer 1/2 pacote chantilly com 100 ml de leite.

Abrir o bolo a meio e rechear com o chantilly.
Por fora, barrar com a mousse e decorar a gosto.



Hoje deixo aqui um prato de peixe, o tão famoso tamboril, apreciado por muita gente. Eu posso dizer que não sou fã, diria mesmo que comi e dispenso comer novamente. Não me agradou a textura do peixe. Ou se gosta ou se detesta. Segui uma receita que tinha, não sei se falhou algo... mas a textura esponjosa do peixe em si, não me atraiu. São gostos, e como diz o ditado, gostos não se discutem...
Mas contudo aqui fica a receita  para os que apreciam.



Ingredientes:

1 cebola grande
2 dentes de alho
1 tomate maduro
Azeite, sal, pimenta
1 raminho de salsa
1 cubo de knorr de marisco (não pus)
Tamboril (usei congelado)
Arroz

Preparação:
Comece por arranjar e cortar o lombo de tamboril.
Num tacho leve ao lume a cebola com os dentes de alho picados a refogar em azeite.
Junte a salsa picada, e o tomate partido aos bocadinhos. Deixe refogar até desfazer o tomate.
Acrescente água (3,5 vezes a medida do arroz). Tempere com sal e pimenta.

Assim que começar a ferver, coloque  o arroz, mexa e passados 5 minutos junte o tamboril. Deixe cozinhar em lume brando cerca de 15 minutos.



Chama-se torta de noz, mas só leva noz para enfeitar, não leva na massa do bolo.
Era um dos bolos de excelência de quem já sabem. É ideal para rechear, pois fica uma massa muito fofa. A torta era regada com sumo de ananás (pode ser sumol ou calda de uma lata de ananás), antes de ser barrada. Nesta não o fiz, mas na próxima farei. Como a massa fica fofinha absorve o sumo sem ficar encharcada e como se come bem fresquinha, sabe bem no tempo quente.










Ingredientes: 
6 ovos
300 gr. de açúcar
75 gr. farinha trigo com fermento
75 gr. fécula de batata
1 colher chá de fermento em pó

Para a decoração:

150 ml de sumo ananás (pode ser sumol ou calda de uma lata de ananás)
100 gr. chocolate de culinária para raspas
Nozes q.b.
2 pacotes de chantilly (ou em alternativa 2 pacotes de natas 200 ml cada)

Preparação:
Com a batedeira bater as gemas com o açúcar até ficarem volumosas.
Bater as claras em castelo e envolver cuidadosamente com uma colher de pau ou rapa-tachos no preparado anterior.
Se necessário, peneirar a farinha e a fécula caso tenha grumos.

Juntar a farinha, fécula, fermento e envolver tudo com uma colher de pau.
Untar um tabuleiro rectangular (usei um com 35x23cm - medidas interior) com margarina, forrar a base com papel vegetal, untando-o também.
Colocar o preparado e levar a cozer em forno pré-aquecido a 180ºC.
Demorou cerca de 25 minutos a cozer. Convém fazer o teste do palito.
Desenformar e deixar arrefecer.

Enquanto arrefece, preparar o chantilly de acordo com as instruções do pacote (ou caso tenha a granel, como eu, que compro 1 pacote de 250 gr. pois fica mais barato, peso 140 gr. e junto 400 ml de leite frio. Um pacote da Royal tem cerca de +/-70 gr e junta-se 200 ml de leite).

Depois de frio, corte o bolo no sentido do comprimento e divida-o em 2 partes iguais.
Coloque uma parte num tabuleiro e barre com chantilly. Coloque a outra parte por cima. Aqui rega-se com o sumo (não o fiz). De seguida barra-se toda a torta com o restante chantilly.

Decora-se com raspas de chocolate e nozes.
Como queria fazer umas raspas grandes, derreti o chocolate em banho-maria e coloquei sobre papel vegetal espalhando-o numa camada fina. Levei ao frio até solidificar. Depois parti-o aos bocados e coloquei sobre a torta (não ficou bem como eu queria, mas para a próxima ficará melhor).
Leva-se ao frigorífico e serve-se fresquinha. Mantém-se sempre no frio, pois aguenta-se bem.

Dica: Os bolos secos depois de abertos devem ser tapados com uma tampa própria para bolos (ou algo que se adapte), ou se não tiver com folha de alumínio para não estar em contacto directo com o ar, pois o ar seca-os.
Nos que vão ao frio convém também fazer o mesmo, se possível.





Um Adeus à minha avó que foi entregue ao Céu hoje com 84 anos...
Uma Homenagem a Ela porque foi dela que herdei o bichinho da cozinha, com ela aprendi a fazer muitos bolos... o pão-de-ló, o pudim francês, entre outros...
Podia deixar passar este dia sem me pronunciar, mas, apesar de não ser fácil estar a escrever estas palavras, tinha de o fazer, pois sei que me irei sentir melhor... e este cantinho serve para colocar coisas boas, e outras menos boas.
São momentos de muita tristeza, dor, mas também sei que Ela agora está bem melhor...

"Aqueles que amamos, nunca morrem...
Apenas partem antes de nós!
Deixou a terra pela felicidade do Céu.
Chorar por ela é sinal de dor.
Rezar por ela é sinal de Amor!"

Por isso o próximo post será em homenagem a Ela, um dos seus maravilhosos bolos.
Até lá, fiquem bem.



Este cachorro foge ao tradicional feito com salsichas, pois é feito com linguiça. 
E isto porquê? Porque há muitos anos atrás havia um café snack-bar que fazia uns cachorros que eu adorava. E como eu muita gente, pois era conhecido por essa especialidade.
Levavam linguiça fresca e esta era pincelada com molho de francesinha (sei disto porque me sentava ao balcão para cuscar a forma como era feito). Não sei se era por este "toque" que eram tão saborosos.

Aqui decidi fazer cachorro especial, mas o que comia lá a maior parte das vezes, era o simples, com o pão bem tostadinho, uma delícia. Belos tempos, belas recordações, saudades de muita coisa mesmo...

Este molho de francesinha é muito simples de se fazer, e muito saboroso. E porque não uma refeição diferente para este Verão tão indeciso.



Ingredientes para o molho (2 pessoas):

1 cebola pequena
1 dente alho
Azeite
1 folha louro
Sal, piri-piri, knorr de carne
Polpa tomate (5 colheres de sopa)
Cerveja 33 cl
Vinho do Porto (3 colheres de sopa)
Whisky (2 colheres de sopa mal cheias)
Molho inglês (1 colher sopa) 
Vinho branco (1 colher sopa)
Farinha maizena (amido de milho)
Cominhos q.b.

Para o cachorro:
2 pães de cachorro ou 2 baguetes
2 linguiças (frescas de preferência)
Queijo, fiambre, mortadela (usei de peru)

Modo de preparação molho:

Comece por refogar em azeite a cebola picada e o alho, quando alourar junte a folha de loureiro, o vinho branco e a cerveja, deixe levantar fervura.

Adicione a polpa de tomate, junte 1/2 knorr de carne e um pouco de sal.

Coloque o vinho do porto, o whisky e o molho inglês.

Deixe ferver um pouco, tempere com piri-piri a gosto.
Coloque uns pós de cominhos.

À parte deite num copo uma colher de sopa de maizena e um pouco de água para a dissolver.

Junte ao molho aos poucos até este adquirir uma consistência a gosto.

Retire o tacho do lume, retire a folha de loureiro e com uma varinha mágica rale tudo.

Preparação do cachorro:
Abra as linguiças ao meio e grelhe-as.
Numa torradeira coloque o pão aberto, numa das partes coloque fiambre, mortadela e a linguiça.
Aqui deve pincelar a linguiça com molho de francesinha, e de seguida colocar queijo. Tapar com a outra metade do pão. Prensar para que torre um pouco o pão e derreta o queijo. 
Por fim colocar fatias de queijo por cima e deixar derreter.
Regar com o molho bem quentinho.


Esta receita era uma das imensas que tenho de outros blogues em lista de espera para fazer...
Chegou a vez desta, que tirei do blog da Belinha Gulosa que só tem coisas gulosas!

Só me arrependi de não usar bolachas rectangulares, como ela indica. Mas quando me deu vontade de fazer, só tinha redondas em casa. Fiz com essas, mas não são as mais apropriadas, pelo simples facto de não ficarem juntinhas, como as rectangulares. 

E como queria fazer um bolo grande, usei 2 pacotes em vez de 1, mas acabou por ficar mais seco. Pois o ideal é ficar com bastante creme, que deveria também ter duplicado ao usar o dobro das bolachas. Mas para a próxima já sei.






Ingredientes:

2 pudins instantâneos Boca Doce de caramelo
2  pacotes de bolacha torrada (usei redondas, mas aconselho rectangulares, como na receita original, e também a usar só 1 pacote de bolachas)
1 litro de leite.
Café q.b.

Preparação:

Fazer os pudins como indica a embalagem utilizando o leite (mexer desde o início).
Deixar arrefecer um pouco.
Faça um café (fiz cevada) azedo e morno para molhar as bolachas (não é necessário elas ficarem muito moles, porque o pudim acabará por amolecê-las).

Depois é só fazer camadas de pudim (começar com 1ª camada de pudim) e outra camada de bolacha embebida em café.
Acabando com pudim.
Polvilhar com bolacha ralada.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Top blogs de receitas

Parcerias com:

Chás, Compotas, Mel....

Comprar on-line